Nome do projeto:

BRASÍLIA: VASTO PLANALTO, ASAS DO MUNDO, IPÊS FLORIDOS, CÉU DE AZUL PROFUNDO

Descrição do projeto:

 

Brasília foi uma cidade planejada, embora 2018 seja o ano de comemorar 58 anos, ela é bem mais antiga simbolicamente. Em 1823, José Bonifácio de Andrade e Silva (1763-1838), um dos articuladores da independência, propôs que a capital brasileira saísse do Rio de Janeiro e fosse para o interior, longe dos portos litorâneos. Quase 70 anos depois, foi instaurada uma comissão, composta de médicos, geólogos, astrônomos, botânicos e outros especialistas, para estudar a topografia e outras características da região do Planalto Central e apresentar um relatório ao governo sobre a ideia. Mas a cidade somente começou de fato a ser concretizada em 1955, quando o perímetro foi traçado para que, no ano seguinte, as obras tivessem início. Essas informações revelam que Brasília é mais do que a sede dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário. Ela oferece vários aspectos, para ir além do que os livros didáticos tradicionalmente propõem estudar. Como as cidades são organizadas? De que maneira os cidadãos se relacionam e modificam o espaço do entorno? Essas são questões interessantes para trabalhar com nossas crianças, tendo nossa capital como pano de fundo. Enquanto na maioria das cidades os bairros se desenvolvem ao redor do centro, no Plano Piloto de Brasília, concebido pelo arquiteto Lucio Costa (1902-1976), eles foram implantados distantes do coração da metrópole. O objetivo era permitir que trabalho, casa e espaços coletivos estivessem próximos uns dos outros e os bairros fossem independentes. A ambição de Costa era muito maior do que criar uma localidade funcional. Ele desejava instituir um espaço capaz de oferecer os benefícios da modernidade a todos os cidadãos de maneira equitativa. Porém, do papel à realidade, muita coisa mudou. O grande número de imigrantes, atraídos pela promessa de muitas ofertas de empregos e uma vida melhor, provocou um movimento de exclusão sócio espacial, que acabou por marcar Brasília, tal como ocorre em outros espaços urbanos. “A migração intensa em 1958 exigiu que fosse criado o primeiro núcleo periférico, Taguatinga. Para lá foram transferidos milhares de trabalhadores que ocupavam as favelas próximas ao Núcleo Bandeirante, construído para abrigar os operários que construíram a capital. Com a chegada de mais migrantes, outras 28 regiões administrativas foram estabelecidas ao redor do centro. E esse é um processo que parece não ter fim uma vez que hoje, já contamos com 31 regiões administrativas. Por isso e por todas as belezas que encontramos em cada região administrativa, com suas histórias, marcos, características e muito mais que elas têm a nos oferecer, Brasília se tornou tema das nossas salas de aula, onde em cada uma, encontramos uma região administrativa, cidades que contribuem para que nossa capital represente um país inteiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9 + 8 =